Bem Vindo

Aproveite tudo o que nois temos de bom faza os seus trabalhos e fique de olho no nosso blog pois toda semana tem assuntos novos

Vídeos

Loading...

Procura

sexta-feira, 1 de abril de 2011

A Definição do Teatro

Sobre a definição de teatro
Etimologicamente a palavra “teatro” provém do grego theatron e significa “lugar onde se vai para ver”.

Numa interpretação acadêmica é a edificação onde se representam obras dramáticas. Avançando na definição poderíamos adotar uma leitura mais abrangente: teatro é todo o processo que engloba a arte de representar. Naquela, o teatro é apenas a edificação, o espaço físico. Nesta, além da edificação, engloba também todas as etapas de elaboração (formação do Grupo ou elenco, definição do texto, concepção e montagem, e apresentação).

A partir desta premissa são muitos os adjetivos que acrescidos à palavra teatro definem seus diferentes sentidos.

Bertolt Brecht - dramaturgo alemão de imensurável contribuição para o teatro contemporâneo, prevendo os perigos das definições que redundassem no academicismo hermético, em discussões estéreis, foi bastante enfático ao afirmar que, se necessário, melhor seria chamar teatro de taetro, a perder tempo com proselitismo que desemboca em lugar algum.

Das diferentes formas de manifestação do teatro, em todas verificamos a presença de dois elementos imprescindíveis: o ator e o espectador.

A ausência de um desses elementos inviabiliza a atividade teatral, impedindo que o ciclo de produção se complete. Há quem argumente que o teatro de bonecos e de sombras coloca por terra a assertiva. Infantilidade. O fato de permanecer invisível para a platéia não torna o ator inexistente. Fosse assim, o que seria do ator de rádio?

O que de fato importa é a existência consciente dos dois elementos – ator e espectador - condição necessária para a existência do jogo teatral.

Alguns outros tergiversam, se valendo de experiências que procuram transformar o espectador em ator involuntário.

Um exemplo é o Teatro Invisível de Augusto Boal. Neste caso, convém destacar que a assistência participa de forma inconsciente. Enfatizando: mesmo este teatro não descarta a figura do espectador. Muitos são os que, no Teatro Invisível, se recusam a “participar” como “ator”. Aqui, tudo é muito relativo, tanto que no meio do caminho, as referências chegam a se diluir.

O importante é não perder o marco: o ator é parte de um processo de construção consciente. Também assim deve ser visto o espectador. Ambos devem se envolver no jogo dramático de maneira consciente.

Na tecnologia Mané Beiçudo atores e espectadores compõem um todo, um maciço monolítico, fundamental para que o processo de criatividade e de intervenção na realidade sejam coroados de êxito.

Antônio Carlos dos Santos é professor universitário, criador da metodologia de Planejamento Estratégico Quasar K+ e da tecnologia de produção de teatro popular de bonecos Mané Beiçudo.

Quias as Consequencias da Anorexia

A anorexia ou anorexia nervosa  como é mais conhecida é um dos tipos de distúrbio alimentar ou disfunção alimentar pelo mais letrados.
Conhecida pela sua devastação do corpos do ser humano,por se tornarem esqueletos encapados em pele suas consequências psicológicas são devastadoras.
A anorexia nervosa é uma disfunção alimentar, caracterizada por uma rígida e insuficiente dieta alimentar (caracterizando em baixo peso corporal) e estresse físico. A anorexia nervosa é uma doença complexa, envolvendo componentes psicológicos, fisiológicos e sociais. Uma pessoa com anorexia nervosa é chamada de anoréxica. Uma pessoa anoréxica pode ser também bulímica. A anorexia nervosa afeta primariamente adolescentes do sexo feminino e jovens mulheres do Hemisfério Ocidental, mas também afeta alguns rapazes. No caso dos jovens adolescentes de ambos os sexos, poderá estar ligada a problemas de auto-imagem, dismorfia, dificuldade em ser aceito pelo grupo, ou em lidar com a sexualidade genital emergente, especialmente se houver um quadro neurótico (particularmente do tipo obsessivo-compulsivo) ou história de abuso sexual ou de bullying. A taxa de mortalidade da anorexia nervosa é de aproximadamente 10%, uma das maiores entre qualquer transtorno psicológico.

Sintomas

Peso corporal em 85% ou menos do nível normal.
Prática excessiva de atividades físicas, mesmo tendo um peso abaixo do normal. Comumente, anoréxicos vêem peso onde não existe, ou seja, o anorético pensa que tem um peso acima do normal.
Em pessoas do sexo feminino, ausência de ao menos três ou mais menstruações. A anorexia nervosa pode causar sérios danos ao sistema reprodutor feminino.
Diminuição ou ausência da líbido; nos rapazes poderá ocorrer disfunção erétil e dificuldade em atingir a maturação sexual completa, tanto a nível físico como emocional.
Crescimento retardado ou até paragem do mesmo, com a resultante má formação do esqueleto (pernas e braços curtos em relação ao tronco).
Descalcificação dos dentes; cárie dentária.
Depressão profunda.
Tendências suicidas.
Bulimia, que pode desenvolver-se posteriormente em pessoas anoréxicas.
Obstipação grave.
A anorexia possui um índice de mortalidade entre 15 a20%, o maior entre os transtornos psicológicos, geralmente matando por ataque cardíaco, devido à falta de potássio ou sódio (que ajudam a controlar o ritmo normal do coração). Pode ser causada por distúrbio da auto-estima.

FOTO DE UMA PESSOA COM ANOREXIA

O Que é Anorexia ?

Chamamos de anorexia uma percepção distorcida quanto ao próprio corpo, que leva a pessoa a ver-se e sentir-se como "gorda" mesmo após perder muito peso. Essa percepção errônea faz com que o anoréxico mantenha seu peso abaixo dos níveis ideais para sua estatura, prejudicando seriamente a própria saúde. Mesmo quando parentes e amigos comentam sobre sua magreza excessiva, o indivíduo não consegue perceber e insiste em continuar emagrecendo.

     A anorexia atinge com maior freqüência mulheres (90% dos casos) na faixa etária compreendida 14 e os 18 anos, raramente ocorrendo após os 40 anos.
     É comum a anorexia ser desencadeada por fatores estressores (desemprego, divórcio, mudança de cidade), no entanto não podemos afirmar que esses eventos causam a doença e sim que algumas vezes a precipitam.
     Muitos acreditam que o portador de anorexia não sente fome, o que não é verdadeiro, pois o que ocorre é que apesar da fome ele se recusa a comer, o que aumenta ainda mais seu conflito e sofrimento.
     Alguns portadores desse transtorno apresentam episódios denominados binge, durante os quais comem compulsivamente grandes quantidades de alimentos e depois vomitam. Nesses casos dificilmente o paciente precisa provocar o vômito, pois o próprio organismo se encarrega disso.

!!! ANOREXIA !!!

O termo anorexia vem do grego, significando falta de apetite. O termo, na verdade , é errôneo, já que a falta de apetite é rara, pois o indivíduo muitas vezes sentem fome, mas procuram negá-la. 
A síndrome foi identificada como entidade clínica em 1868, por Gull e Lasígue, apesar de Ter sido descrita em 1694 por Richard Morton, que relatava um emagrecimento auto-induzido em decorrência de um medo mórbido de ganhar peso. 
As características essenciais da anorexia nervosa são: recusa do indivíduo de manter um peso corporal na faixa normal mínima associado à um temor intenso de ganhar peso. Esse distúrbio é caracterizado por distúrbios severos no comportamento alimentar, que merecem análise cuidadosa no que diz respeito aos aspectos e cuidados nutricionais. 
A comunidade científica trata a (AN) como sintomas do inconsciente da cultura 
contemporânea. 
Na realidade, trata-se de uma perturbação significativa na percepção do esquema corporal, ou seja, da auto-percepção da forma e ou do tamanho do corpo. 
Parece ter tornado-se do senso comum que tais transtornos são muito mais predominantes nas sociedades industrializadas, nas quais há abundância de comida e onde, especialmente para as mulheres, é considerada atraente a pessoa que é magra. Contraditoriamente, “em algumas culturas, a percepção distorcida do corpo pode não ser proeminente, e a motivação expressa para a restrição alimentar poderia Ter um conteúdo diferente, como o desconforto espigástrico. 
A anorexia nervosa tem fatores psicológicos, biológicos e sociais. 
Epidemiologia 
A taxa de prevalência de indivíduos com Anorexia é de 1% e desses cerca de 90% dos casos de Anorexia Nervosa sãoem mulheres. Os casos acontecem com mais freqüência em classes sociais mais elevadas. Em 45% dos casos, a Anorexia acontece após uma dieta de emagrecimento. Em 40% acontece por competição, como por exemplo pessoas que sua profissão exige magreza como modelos e bailarinas. 
Nas últimas décadas, tem crescido o número de relatos em meninas pré- púberes e em homens. As idades mais comuns de início ocorre na adolescência, mas até 5% dos pacientes com Anorexia Nervosa tem início logo após os 20 anos. 

terça-feira, 29 de março de 2011

Quias as Consequencias da Bulemia

As consequências da bulimia são variadas e graves e podem causar lesões irreversíveis ou de difícil tratamento,(ex: depressão, fadiga, arritmia cardíaca, irregularidade menstrual, ossos e dentes frágeis, vasos sanguíneos dilatados na pele do rosto e problemas de estômago e esófago).
A pessoa bulímica chega a ingerir numa hora, em calorias, o que devia consumir durante um dia inteiro. Ao sentir-se culpada pelo excessivo consumo de alimentos e para perder peso (ou para não ganhá-lo), a doente provoca o vómito, usa laxantes e pratica exercício físico em excesso.
O continuar deste tipo de acções permite a manutenção do peso em níveis normais ou um pouco acima e, ainda, apresentar uma imagem aparentemente saudável. Esta imagem "saudável" ilude a pessoa em relação ao seu problema e dificulta, aos outros, a percepção do mesmo. Por esta razão, a bulimia é uma doença que tende a prolongar-se no tempo.
Os jovens, particularmente do sexo feminino, a partir da entrada na adolescência são o principal grupo de risco em relação a esta doença. A doente bulímica apresenta comportamentos típicos, tais como:

  •      comer às escondidas;
  •      ingerir compulsivamente alimentos excessivamente calóricos;
  •      fazer grandes jejuns;
  •      usar laxantes e diuréticos;
  •      induzir o vómito;
  •      praticar obsessivamente exercício físico.

As consequências da bulimia são variadas e graves e podem causar lesões irreversíveis ou de difícil tratamento, como depressão, fadiga, arritmia cardíaca, irregularidade menstrual, ossos e dentes frágeis, vasos sanguíneos dilatados na pele do rosto e problemas de estômago e esófago (causados pelos vómitos).
As consequências físicas da bulimia são várias tais como:
  • Mau funcionamento renal e cardíaco (provocado pelo vómito e uso de laxantes);
  • Dificuldade na concentração, mudanças de humor (devido a um desiquilíbrio químico);
  • Glãndulas inchadas, derrames sanguíneos por baixo dos olhos;
  • Decadência dentária e problemas graves nas gengivas;
  • Dores de garganta, dores no peito, cãibras musculares e fadiga;
  • Arranhões na parte de cima das mãos ou nos nós dos dedos;

A



  FOTO DE UMA PESSOA COM SINTOMAS DA BULEMIA 

O Que é Bulemia

Etimologicamente o termo bulimia provém do grego boulimía, «fome devoradora», em português significa apetite exagerado ou ainda, curiosamente, segundo o dicionário da língua portuguesa, fome canina. De acordo com o manual de diagnóstico a Bulimia Nervosa é caracterizada por episódios repetidos de voracidade alimentar (ingestão num período curto de tempo, geralmente inferior a duas horas, de uma grande quantidade de alimentos), seguidos por comportamentos compensatórios inapropriados para impedir o aumento de peso, como por exemplo, vômito auto-induzido, abuso de laxantes, diuréticos ou outras medicações, jejum ou exercício físico excessivo. Os comportamentos de ingestão compulsiva e os de compensação devem ocorrer, em média, pelo menos duas a três vezes por semana durante três meses. Na bulimia a pessoa sente uma necessidade imperiosa e irrefreável de ingerir grandes quantidades de comida, geralmente de elevado teor calórico, como conseqüência é invadida por fortes sentimentos de auto-repulsa e culpa e sente necessidade de mitigar os efeitos dessa ingestão maciça recorrendo, por exemplo, ao vômito auto-induzido. As três características principais deste quadro podem ser: a perda subjetiva do controlo sobre a ingestão e os episódios bulímicos associados, as condutas destinadas ao controlo do peso corporal e uma preocupação extrema por a figura e o peso corporais. Os subtipos de Bulimia Nervosa descritos no manual de diagnóstico são: O Tipo Purgativo, no qual a pessoa regularmente vomita, ou abusa de laxantes, diuréticos ou enemas durante o episódio atual e nutre uma maior preocupação com o peso e o corpo e o Tipo Não Purgativo, no qual a pessoa recorre a outros comportamentos compensatórios inapropriados, como o jejum, exercício físico excessivo (e não o vômito ou o recurso a laxantes e diuréticos). As perturbações associadas à Bulimia Nervosa são as Perturbações do Humor (principalmente a Perturbação Distímica e os Episódios Depressivos Major), as Perturbações da Ansiedade, Abuso ou Dependência de Substâncias (principalmente álcool e estimulantes) e uma ou mais Perturbações da Personalidade (mais freqüentemente Perturbação Estado-Limite da Personalidade). No manual de diagnóstico também é referido que a distorção da imagem corporal e do peso é uma característica essencial tanto da Anorexia Nervosa como da Bulimia Nervosa. A prevalência da Bulimia Nervosa entre adolescentes e mulheres jovens é de cerca de 1%-3% (dados do DSM-IV-TR) e a taxa de ocorrência da perturbação nos homens é aproximadamente de um décimo da das mulheres. 

Bulemia

Ao longo da história o significado da palavra bulimia tem seguido diferentes trajetórias.Brenda Parry-Jones em seu trabalho de revisão sobre a terminologia histórica dos transtornos alimentares refere que o termo “bulimia” remonta a antiga Grécia, a palavra derivaria do termo grego”bous”, boi e “limos” , fome. Durante o período medieval e moderno tem servido para designar episódios de “voracidade insaciável”, “mórbido”, com um “apetite canino”, como ou sem a presença de vômitos e acompanhado de outros sintomas.
Stunkard em 1990 realizou uma revisão histórica do conceito de bulimia, e destacou, como em 1743 James descreveu no Dicionário Médico da Universidade de Londres, um quadro clinico que denomina “True Boulimus” (verdadeira bulimia, em uma tradução livre), caracterizado por intensa preocupação com a comida, e pela ingestão voraz em um curto espaço de tempo, seguidos de períodos de jejum, e destacou uma segunda variante “Caninus Appetitus” aonde os episódios de voracidade são seguidos pelo comportamento compensatório de vomito.
Galeno descreveu a “Kinos orexia”, ou fome canina como sinônimo de bulimia, considerando-a como conseqüência de um estado de animo anormal, posteriormente esta definição apareceu nos dicionários médicos dos séculos XVIII e XIX na forma de curiosidade médica.No século XIX Blanchez no Dicionário de Ciências Médicas de Paris (1869) também descreveu ambos os quadros.No final dos anos 70, foi descrita como a síndrome de atrações/purgações ou bulimarexia. A denominação bulimia apareceu pela primeira vez em 1980, finalmente em 1987 se adotou o tremo bulimia nervosa.
Vemos portanto que  a bulimia não é um transtorno novo, já que aparece reconhecido há a séculos na literatura, mas até os finais dos anos 70 quando se diferencia como identidade psicológica independente. Russell em 1979 foi o primeiro a fazer uma descrição completa do quadro clinico, em estabelecer os primeiros critérios diagnósticos para este transtorno, e introduzir o termo “Bulimia Nervosa”. Um ano mais tarde a American Psychiatric Association (APA) incluiu este transtorno no Manual Diagnóstico DSM-III(1980).
Russel em 1979 definiu 3 características fundamentais
- Os pacientes sofrem impulsos fortes e incontroláveis de comer em excesso
-Buscam evitar o aumento de peso, com vômitos e/ou abuso de laxantes ( ou outros medicamentos)
- Medo mórbido e engordar
Em 1983 Russel acrescentou outro critério diagnostico:
A exigência de um episódio anterior, manifesto ou critico de Anorexia Nervosa. Desde então se incluiu uma nova questão que continua sendo muito debatida na atualidade. A possível relação entre os diferentes distúrbios alimentares. Não é raro que um a paciente com anorexia nervosa evolucione, no futuro, para uma bulimia nervosa, existem autores que falam em um “continuum” entre ambos distúrbios. A partir deste momento, se promoveu amplamente a investigação dos distúrbios alimentares, o que permitiu uma melhor delimitação dos distintos quadros clínicos que hoje me dia são reconhecidos nas classificações atuais